O que é uma startup definições e exemplos de ideias para startups

Os melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Contents

Startup: Definição, Tipos, Exemplos e Dicas Para o Sucesso

Escrito por SBCoaching 29 de dezembro de 2020, 15:26

A startup é a célula de inovação que molda a economia do futuro.
Parece uma afirmação ousada?
Olhe ao redor e comprove: as startups são a grande aposta do mercado e formam verdadeiros ecossistemas no mundo todo.
São empresas de baixo capital inicial e rápido crescimento, com DNA jovem e um modelo de negócio promissor.
Mas, para ingressar no universo das startups, não basta ter uma grande ideia.
É preciso trabalhar duro, conhecer o cliente a fundo e ter coragem para correr riscos em busca de sonhos ambiciosos.
Você acha que se encaixa no perfil de empreendedor(a) revolucionário(a)?
Vamos descobrir ao longo do artigo, que traz os seguintes temas:

  • O verdadeiro significado de startup
  • A origem do termo startup
  • Como os investidores veem a startup
  • Como funciona a startup e suas principais características
  • Tipos de startups e importância do empreendedorismo
  • Dicas para criar uma startup de sucesso no Brasil
  • Exemplos de startups de sucesso
  • Benefícios do coaching para a startup
  • Como se tornar um coach e empreendedor conceituado.

É isso que você precisava saber? Então, siga a leitura e aproveite.

Significado de startup

A startup é uma empresa em fase embrionária que busca um modelo de negócio repetível, escalável e altamente lucrativo, priorizando a inovação em um ambiente de alto risco.
Na verdade, o significado de startup é bastante amplo, mas podemos começar pela definição de Eric Ries, autor do best-seller The Lean Startup (Crown Publishing Group, 2020) e referência no modelo de negócio:
“Uma startup é uma instituição humana desenhada para criar um novo produto ou serviço em condições de extrema incerteza.”
O risco intrínseco das startups está no caráter experimental do negócio, pois sua operação é totalmente diferente das empresas convencionais.
Enquanto os empreendedores tradicionais desenham um modelo previsível antes de iniciar suas operações, os idealizadores de startups partem de uma solução inovadora e a desenvolvem conforme recebem o feedback do mercado.
Ou seja, é a resposta dos clientes e investidores que determina o sucesso da startup, que começa apenas com uma hipótese e arrisca tudo para provar seu valor.
É por isso que as startups são focadas na solução de problemas em massa, tendo um papel relevante na sociedade.
Além disso, o espírito da startup é jovem e fortemente vinculado à pesquisa, investigação e ousadia.
Assim, a dinâmica do mundo atual inspira o nascimento dessas empresas visionárias, em meio às transformações do mercado e avanço irrefreável da tecnologia.
Afinal, a velocidade das mudanças exige empresas capazes de se adaptar rapidamente e utilizar o poder digital ao seu favor.

Origem do termo startup

A origem do termo startup no contexto dos negócios é incerta, mas remete a um artigo publicado na Revista Forbes em 1976.
O texto abordava o desenvolvimento do setor de processamento de dados, caracterizando as startups como empresas de rápido crescimento no campo da tecnologia.
No entanto, a palavra startup já era utilizada por autores economistas desde o século 17, sendo adaptada após a chegada da “bolha da internet” (1996-2001).
O novo milênio trouxe a difusão das empresas “ponto com”, que se apropriaram do termo para designar sua nova visão dos negócios.
Ao mesmo tempo, o Vale do Silício se consolidou com as gigantes Apple, Facebook e Google, tornando-se um berço de startups e polo difusor da economia criativa.
Apesar da forte ligação com a tecnologia, uma startup não precisa, necessariamente, trabalhar com produtos digitais.
Do mesmo modo, é errado classificar qualquer empresa recém-fundada ou pequeno negócio como startup, pois o que define esse tipo de empreendimento é o crescimento rápido.
Ou seja, a essência da startup é sua capacidade de escalar o negócio e crescer rapidamente.
Se traduzirmos a palavra startup para o português, chegamos a termos como arranque, inicialização, partida e lançamento.
É justamente o que essas empresas buscam: dar a partida em negócios inovadores, arrancando na frente com soluções criativas que atingem milhões de pessoas.

O que é uma startup segundo investidores

Na visão dos investidores, a startup é uma oportunidade de alto risco, mas com possibilidade de retornos promissores.
Há diversos tipos de investimento que impulsionam as startups hoje, sendo os principais:

  • Investimento próprio: o próprio empreendedor investe na sua ideia
  • Investimento-anjo: pessoas físicas investem seu capital próprio na ideia
  • Capital de risco: investimentos de alto risco com participação acionária
  • Séries A, B e C: investimentos realizados de acordo com a etapa da startup
  • Crowdfunding: investimento coletivo em projetos criativos.

O fenômeno denominado corporate venture consiste no interesse crescente das grandes corporações em investir em startups, pois a prática tem se mostrado vantajosa.
Segundo um levantamento da pesquisadora Carolina Stocche , de 2020, feito em parceria com ex-alunos de Harvard, a primeira onda brasileira do corporate venture busca acelerar startups em prol da inovação e retorno financeiro.
A pesquisa revelou que as empresas veem as startups como laboratórios de inovação, capazes de trazer soluções rápidas, rentabilidade, rejuvenescimento e ainda agregar valor à marca da empresa investidora.
Outro dado interessante é que os investidores-anjo brasileiros injetaram R$ 984 milhões nas startups em 2020, segundo a organização Anjos do Brasil .
Esses investidores enxergam nas startups um universo fascinante de crescimento financeiro, tecnologias disruptivas e talentos excepcionais.
Assim, muitos optam pelo investimento de alto risco porque acreditam no potencial humano e no desenvolvimento da nova economia.
Outros querem inserir suas empresas no incrível ecossistema de inovação das startups, enquanto incorporam os jovens talentos de alta performance e seus insights valiosos.
Seja qual for o propósito do investidor, as startups representam o que há de mais revolucionário e audacioso nas carteiras de investimento.
Mas, como dizem os especialistas, o risco é proporcional ao prêmio.

Como funciona uma startup?

Há vários modelos de funcionamento possíveis para uma startup, mas a base de operação é a mesma.
O ponto de partida de toda startup é criar uma solução inovadora para um problema que ainda não foi devidamente solucionado pelo mercado.
Para auxiliar na definição do modelo de negócio das startups, os autores Alexander Osterwalder e Yves Pigneur escreveram o livro Business Model Generation (OSF, 2009).
O modelo apresentado na obra recebe o nome de Business Model Canvas e auxilia empreendedores a transformarem suas ideias em ações , sendo muito utilizado em startups.
A estrutura passa pela segmentação de clientes, proposta de valor, escolha de canais, estratégias de relacionamento, fontes de receita, atividades-chave e parcerias-chave.
Outro modelo reconhecido é o de “startup enxuta”, proposto pelo livro já mencionado de Eric Ries, que se baseia em uma metodologia de rápida passagem pelos ciclos “construir, medir e aprender”.
A startup enxuta ou lean startup transforma ideias nos chamados Produtos Mínimos Viáveis (MVP), que representam o menor produto capaz de percorrer o ciclo de feedback com o menor esforço e de forma mais rápida.
Nesse modelo, a empresa cria uma cultura de experimentação junto ao cliente , escutando suas necessidades para oferecer o melhor produto possível sem desperdiçar nenhum recurso.
Ou seja, o funcionamento da startup ocorre em um ciclo de construção, mensuração de resultados e aprendizagem.
Primeiro a ideia é transformada em produto, depois a reação dos clientes é medida e, então, a empresa aprende como direcionar seus esforços para o sucesso .
É por isso que o modelo organizacional das startups se diferencia das empresas tradicionais: seu crescimento se baseia na aprendizagem e experimentação contínua.
Por essa razão, sua estrutura também é muito diferente, envolvendo equipes enxutas em espaços descontraídos.
Afinal, o espírito inovador e ágil das startups exige um modelo muito mais flexível, dinâmico e criativo.

Principais características de uma startup

Ao conhecer de perto uma startup, é fácil perceber suas características únicas, que a diferenciam claramente das outras empresas.
Veja se consegue identificar esses aspectos na startup:

Os melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Inovação

A inovação é o próprio DNA da startup, pois sua missão é encontrar soluções que ninguém havia pensado antes.
Assim, toda startup tem como característica o diferencial competitivo no mercado, a partir de um modelo de negócio e produto/serviço inovador.

Escalabilidade

Um negócio escalável é aquele que pode crescer em um ritmo muito acelerado sem alterar o modelo proposto.
Ou seja, a receita da empresa aumenta exponencialmente, mas os custos continuam praticamente os mesmos.

Repetição

A startup se caracteriza pela capacidade de se repetir, ou seja, entregar os mesmos produtos e serviços de modo reprodutivo, sem a necessidade de customizar em excesso.
Além disso, o próprio modelo de negócio pode ser reproduzido e aplicado em outros segmentos, tamanha sua eficiência.

Potencial superior

O potencial de atingir grandes mercados com uma estrutura enxuta é um dos principais traços das startups.
Com um capital inicial muito baixo, a empresa pode chegar a alcançar milhões de consumidores.

Flexibilidade

Em um cenário de incertezas, a startup precisa ser muito flexível para acompanhar as mudanças e lidar com os períodos de altos e baixos.
A própria rotina dos colaboradores é muito dinâmica, pois a flexibilidade de horários e projetos é essencial para extrair o melhor de cada profissional .

Trabalho em equipe

Como as startups costumam ser pequenas, as equipes precisam ser muito unidas e trabalhar em absoluta sinergia.
Geralmente, são profissionais de alto nível e multidisciplinares, que conseguem integrar todas as áreas da empresa e construir uma equipe sólida .

Tipos de startups

Com o crescimento dos ecossistemas, há inúmeros tipos de startups surgindo a cada dia no Brasil e no mundo.
O banco de dados Startup Base da Associação Brasileira de Startups já soma quase 7 mil empresas cadastradas e reúne negócios categorizados em API, E-commerce, Hardware, Licenciamento, Marketplace, SaaS e vários outros segmentos.
Outra forma de classificar as startups é de acordo com seu objetivo, como descrito no artigo do professor Steve Blank para o The Wall Street Journal .
De acordo com o empreendedor em série, existem seis tipos de startups:

  • Lifestyle: criadas por quem deseja trabalhar com o que ama de verdade
  • PME: possuem objetivos menos ambiciosos, como os pequenos negócios
  • Escaláveis: já nascem com o propósito de se tornarem gigantes
  • Startups à Venda: projetadas para atrair compradores após atingir resultados
  • Sociais: querem fazer a diferença na sociedade e construir um mundo melhor
  • Corporativas: são empresas tradicionais que se apropriam do modelo startup.

Além disso, há nichos ainda mais específicos ganhando espaço atualmente, como as FinTechs (startups de soluções tecnológicas para finanças) e HR Techs (soluções tecnológicas para Recursos Humanos).

Importância do empreendedorismo nas startups

O empreendedorismo é inseparável da startup, pois funda as bases de sua existência e modelo de negócio.
Empreender significa solucionar, agregar valor e transformar ideias em negócios lucrativos, a partir de oportunidades e insuficiências do mercado atual.
De acordo com a pesquisa GEM 2020 do Sebrae/IBPQ , existem quase 50 milhões de empreendedores no Brasil, com participação cada vez maior dos jovens de 18 a 34 anos.
Desses, 62 mil empreendedores estão à frente de startups, de acordo com levantamento da ABStartups publicada na Agência Brasil.
Logo, não é de se surpreender que 72% das startups são lideradas por jovens empreendedores , que estão dispostos a superar as adversidades do mercado brasileiro em busca do sucesso.
Segundo o secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comécio Exterior e Serviços, Rafael Moreira, o empreendedor brasileiro se destaca justamente pela sua resiliência.
Ou seja, o empreendedorismo determinado desses jovens é a força propulsora para o crescimento das startups no país.

Dicas para criar uma startup de sucesso no Brasil

Uma das grandes vantagens em criar uma startup de sucesso no Brasil é a possibilidade de vencer a instabilidade econômica e prosperar em qualquer período – mesmo com sinais de crise.
No entanto, 70% dos empreendedores reivindicam leis de incentivo e benefícios fiscais para startups, além de ampliação do crédito público, segundo pesquisa de um escritório jurídico divulgada na Época Negócios .
Mesmo com a falta de incentivos, o Brasil dobrou seu número de startups em seis anos, provando que é possível empreender com criatividade.
Confira algumas dicas para criar sua startup e se juntar a esses talentos dos negócios:

Não confie apenas na ideia

Boas ideias são a essência das startups, mas não fazem milagre sozinhas.
Lembre-se que todos podem ter ideias incríveis, mas é o planejamento e execução do negócio que definem o potencial para o sucesso.

Prepare-se para trabalhar duro

O clima informal e descontraído das startups é um grande atrativo, com direito a privilégios como a flexibilidade de horários e videogame na sala de reunião.
Mas isso não significa, nem de longe, menos trabalho.
Pelo contrário: prepare-se para perder finais de semana trabalhando duro na realização dos seus sonhos.

Convoque os melhores

Boa parte do sucesso das startups está nas equipes seletas, que concentram talentos excepcionais em uma estrutura de proporções reduzidas.
Por isso, você precisa garantir que está trabalhando com os melhores profissionais da área.

Exemplos de startups de sucesso

O Brasil entrou para o ranking das startups de sucesso em 2020, com seus seis primeiros unicórnios listados pela CB Insights .
O termo unicórnio se refere às startups que alcançam o valor de mercado de US$ 1 bilhão, que já somam 270 empresas no mundo.
Conheça os unicórnios brasileiros de destaque:

A antiga 99Taxi, agora chamada apenas de 99 , começou como um aplicativo para serviços de táxi e evoluiu para um dos maiores apps de mobilidade urbana do país.
A empresa foi a primeira startup brasileira a ganhar o título de unicórnio em janeiro de 2020 e atribui seu sucesso às tarifas competitivas e lucro maior para o motorista.

Nubank

O Nubank representa um novo conceito em serviços financeiros, muito mais rápidos e menos burocráticos.
A empresa se tornou oficialmente um unicórnio em março de 2020, firmando sua posição de banco digital com mais clientes do país.

PagSeguro

A empresa de pagamentos PagSeguro se diferencia por ter começado como um braço dos maiores grupos de mídia do país, mas sua posição de startup permanece entre os analistas de negócios.
O título de unicórnio veio em 2020, e em 2020 a empresa foi responsável pela maior abertura de capital de uma empresa brasileira na estreia da bolsa de Nova Iorque, com impressionantes US$ 2,6 bilhões.

Como o coaching pode beneficiar uma startup?

O coaching é a metodologia ideal para o empreendedor que decidiu se aventurar no mundo das startups.
Isso porque o coaching utiliza técnicas e ferramentas avançadas para desenvolver o potencial humano ao máximo, levando pessoas a resultados extraordinários na vida pessoal e profissional.
No caso do coaching para empreendedores , o processo é focado na capacitação e empoderamento para transformar ideias em negócios lucrativos.
Com essa abordagem, você entenderá melhor como utilizar as suas potencialidades comportamentais para engajar, inspirar e motivar os colaboradores a embarcarem nessa jornada de empreendedorismo.
Trata-se de uma plataforma de apoio para que você sustente melhor as bases do seu relacionamento com todos os talentos que darão vida ao seu projeto.
Assim, o coaching pode servir como impulso definitivo para o lançamento do negócio, tornando possível seu grande sonho de ter uma startup promissora.

Como se tornar um coach

Se você quer se especializar no desenvolvimento humano (dentro e fora da startup), o melhor caminho é se tornar um coach .
Muitas pessoas procuram a formação em coaching para aprimorar suas habilidades e alcançar um novo patamar em gestão e liderança .
Ao longo do treinamento, você vai reforçar capacidades como a comunicação, a persuasão e a motivação.
Com amparo da psicologia positiva e da ciência comportamental, o coaching serve como uma bússola para nortear o seu trabalho e como um acelerador de resultados na jornada do crescimento da startup.
Além de tornar você um especialista em negócios, o título de coach também permite o exercício de uma profissão que cresce no mundo todo.
Assim, você pode aproveitar os conhecimento do coaching para alavancar sua startup e ainda ter uma possibilidade de ganho extra ou carreira secundária.

Formação em coaching SBCoaching

Seja qual for seu objetivo, a formação em coaching SBCoaching é uma experiência fundamental para crescer como pessoa e profissional.
Isso porque a Sociedade Brasileira de Coaching é destaque internacional, reconhecida pela excelência em formação profissional e compromisso com o desenvolvimento do potencial humano.
Referência no mundo todo, a organização já formou mais de 35 mil coaches e atendeu a mais de 3 mil empresas.
Os cursos e treinamentos são projetados para aumentar a performance e maximizar resultados, transformando a vida e carreira de empreendedores, executivos e equipes.
Se você quer um título de coach de ampla credibilidade, vale a pena investir nas formações de alto nível da SBCoaching.

Conclusão

Depois dessa jornada, você está pronto para acompanhar as próximas tendências e adaptar seus negócios à era das startups.
Como você pôde ver, nossos tempos exigem inovação constante e o futuro aponta para soluções tecnológicas, empreendedorismo criativo e gestão dinâmica.
O impacto das startups em escala global é recente, o que demonstra que há muito espaço para novas ideias e empreendedores corajosos dispostos a perseguir seus objetivos.
Se você é do tipo que pensa grande e quer mudar a realidade com soluções inovadoras, começar uma startup é a resposta.
Mas, se falta um empurrão para acreditar no seu potencial, o coaching é o caminho mais curto para ganhar fôlego e investir nos seus sonhos.
O importante é não perder tempo e largar na frente da concorrência, já que velocidade é um requisito básico das startups.
Como bem disse Mark Zuckerberg: “Mova-se rapidamente e cause impacto. Se você não está causando impacto, significa que você não está se movendo rápido o suficiente.”

O que é startup? Como funciona? Quais tipos existem?

Você sabe dizer o que é startup?

O termo startup é relativamente novo e cada vez mais utilizado. Apesar de muito difundido, poucos realmente sabem dizer o que define uma startup.

Está sem tempo de ler agora? Que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo!

Alguns acreditam que é uma empresa pequena ou uma empresa em seu período inicial. Outros dizem que é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas com enorme potencial de crescimento ou até que são apenas empresas de internet ou de tecnologia.

O que é startup?

O termo startup surgiu há algum tempo nos Estados Unidos, mas se popularizou no Brasil a partir da bolha das empresas ponto-com, entre os anos de 1996 e 2001.

Tal bolha especulativa fez com que as ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação alocadas no espaço da internet ficassem em alta.

Assim, fez difundir o termo que inicialmente se referia ao grupo de pessoas trabalhando em ideias de negócios diferentes e com alto potencial de crescimento.

Considerando-se a etimologia da palavra, startup é sinônimo de iniciar algo e colocar em funcionamento.

Entretanto a definição mais atual é: grupo de pessoas à procura de um modelo de negócio inovador, repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza e com soluções a serem desenvolvidas.

Tal conceito, ainda assim, envolve alguns termos que precisam ser melhor explicados:

Modelo de negócio

Modelo de negócio refere-se a como o negócio funciona para gerar valor ao cliente (solucionar seus problemas) e para a empresa (rentabilidade do negócio).

Logo, o foco não é apenas no produto, mas no seu valor. O maior desafio para startups é desenvolver um modelo de negócio inovador.

Inovação

Inovação refere-se ao desenvolvimento de um produto, serviço ou modelo de negócio completamente novo ou ainda pouco explorado.

Apresenta diferenciais valorizados pelo mercado e percebidos como algo novo e superior em relação aos concorrentes e, sobretudo, às soluções previamente apresentadas para os problemas dos consumidores.

Por ter esse caráter inovador, muitas vezes utiliza-se recursos digitais, mas não se limita a isso. É por causa desse aspecto que as pessoas acreditam que startups são apenas empresas de base tecnológica relacionadas à internet.

Realmente é mais comum encontrá-las na internet, visto que é um meio mais rápido, barato e fácil de se propagar, mas não se limitam a isso.

Repetível

Ser repetível significa que o modelo de negócio é capaz de entregar o mesmo produto ou serviço em escala potencialmente ilimitada sem muitas customizações e adaptações. Ou seja, é possível replicar e reproduzir a experiência do produto ou serviço de forma simples.

Escalável

Ser escalável significa crescer cada vez mais sem que isso influencie no modelo de negócios. Podendo atingir rapidamente um grande número de consumidores a custos baixos, tornando a margem mais alta.

Um modelo de negócio repetível e escalável é uma das chaves de sucesso de startups. Uma vez que este tende a atingir um grande número de clientes e gerar lucro de forma mais rápida, sem um aumento significativo dos custos e sem a necessidade de customizações para cada cliente específico.

Cenário de incertezas

Cenário de incertezas significa que não há garantias de que a ideia do modelo de negócio irá dar certo e será bem-sucedida.

Por ser uma ideia inovadora e disruptiva, não há em que se basear para atingir o sucesso e não é possível verificar se a ideia é bem aceita previamente pelo mercado. Tal ambiente é considerado incerto até que o modelo de negócio comece a mostrar que vai vingar e sua receita comece a crescer.

Caso o modelo inicial não se mostre assim, é necessário repensar e até mesmo reinventar todo o modelo. O que pode significar a necessidade de um novo montante de investimento.

É muito comum as startups pivotarem seus conceitos, produtos, serviços e públicos-alvo, por exemplo, até encontrarem o modelo ideal.

É por isso que ao pensar em startup é necessário pensar em capital de risco. Visto que encontrar o modelo certo de imediato é uma tarefa difícil. Tal capital é de extrema importância na iniciação e no desenvolvimento, até que elas possuam receita suficiente para se consolidar.

Uma forma de lidar com a incerteza é iniciar a startup com um produto mínimo viável, MVP, que tem como objetivo validar o modelo ajudando a compreender melhor o que o público-alvo deseja e gastando o mínimo possível.

Após a validação e comprovação do modelo, receitas começam a crescer e a startup começa a avançar rumo a se tornar uma empresa sustentável.

Tipos de Startup

As startups podem ser divididas de várias formas. Seguem abaixo seis classificações utilizadas pelo mercado:

-Small-Business Startups: empreendedores iniciantes, com pouca experiência e visão administrativa limitada. Que comandam e controlam a própria empresa e não tem muito interesse em expandir o negócio, apenas movimentam a economia local;

-Scalable startups: empreendedores que encontram um modelo de negócio com grande potencial de crescimento e que necessita de investimento para crescer. Ou seja, já funcionam, mas precisam de capital de risco para expandir. Os mesmos visam, inclusive, desenvolver o seu negócio para abrir capital na bolsa ou ser comprado por investidores no futuro;

-Lifestyle startups: empreendedores que são movidos por um sonho e trabalham com uma ideia que amam. Tais empreendedores geram renda, mas sem deixar de fazer o que gostam já que não visam apenas dinheiro;

-Buyable startups: empreendedores com uma grande ideia e que precisam, então, de capital de risco para concretizá-la e instrumentalizar um modelo de negócio;

-Social startup: pessoas que têm a ideia de fazer a diferença no mundo, ajudar outras pessoas e gerar resultados positivos para a sociedade, com ou sem fins lucrativos, ou mesmo uma mistura de ambos;

-Large-company startups: grandes empresas que já estão no mercado e precisam inovar seu modelo de negócio e se reinventar constantemente para sobreviverem, se adaptarem e crescerem nos novos contextos do mercado que está sempre se alterando.

>> Bônus: Uma conceituação mais recente ainda inclui outra classificação, a de startups unicórnios, ou seja, aquelas que foram avaliadas em mais de US$ 1 bilhão. Empresas como 99, Nubank e QuintoAndar são alguns exemplos de brasileiras consideradas unicórnio.

Principais tipo de modelo de negócio

-B2B ou Business to Business: startups que atendem necessidades de outras empresas, não de um consumidor final diretamente;

-B2C ou Business to Consumer: startups que atendem as necessidades de um consumidor final;

-B2B2C OU Business to Business to Consumer: startups que fazem negócios com outras empresas visando atender à necessidade de um consumidor final.

Em relação aos nichos onde atuam, existem, por exemplo, as FinTech (startups do ramo financeiro), HealthTech (ramo da saúde e medicina), EdTech (ramo da educação), LawTech (ramo do direito), dentre outras.

Ao analisar o mercado, é possível verificar que grande parte das grandes empresas surgiu como startups com pouco dinheiro, muito risco e diante de contextos incertos.

A tendência é o surgimento constante de novos modelos de negócios cada vez mais inovadores e disruptivos. Exigindo que empreendedores se tornem cada vez mais conectados, competitivos e atualizados para acompanharem a complexidade da atualidade.

A Investor conta com uma equipe especializada em avaliações com foco no sucesso dos clientes. Se chegou o momento de escalar seu negócio, ir em busca de investidores e fazer um valuation, conte com a nossa experiência e seriedade, aliados à equipamentos de ponta, que permitem a entrega de resultados precisos, eficientes e com agilidade. Saiba mais sobre nossos serviços.

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

O que é uma startup?

Startup é uma empresa jovem com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e soluções a serem desenvolvidas. Embora não se limite apenas a negócios digitais, uma startup necessita de inovação para não ser considerada uma empresa de modelo tradicional.

De fato, startup é um termo que está na moda e empreender virou o sonho de muita gente, tanto no Brasil quanto fora dele. Um erro comum que permeia a definição de startups é se elas são somente empresas de internet. Não necessariamente, elas só são mais frequentes na Internet porque é bem mais barato e facilmente propagável criar uma empresa online do que uma de agronegócio, por exemplo.

Confira abaixo a explicação sobre o que é uma startup:

Há bastante espaço para discussão e interpretação do significado real do que é uma startup. Muitas pessoas dizem que qualquer pequena empresa em seu período inicial pode ser considerada uma startup. Outros defendem que uma startup é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas que consegue crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores. Há ainda quem diga que a “tia do cachorro-quente” é uma startup e uma franquia de lanches é uma empresa. Se desmembrando a palavra, chegamos ao ato de iniciar algo, seria todo empreendimento um dia uma startup?

A resposta é: não! Existem algumas características que definem esse tipo de empresa que excluem negócios tradicionais. Elas são: modelo de negócio inovador, repetível e escalável e cenário de incertezas.

Características de uma startup

O que é um modelo de negócios? E um negócio escalável e repetível? O que pode ser considerado um cenário de incertezas? Esses fatores essenciais para uma startup e são tópicos recorrentes no ecossistema. No entanto, não são óbvios para quem não está familiarizado com o meio. Para não restarem dúvidas, a gente explica em detalhe:

Modelo de negócios

Antes de tudo, o modelo de negócios é diferente de um plano de negócios, que foca em estratégias detalhadas para atingir metas, por exemplo. No modelo de negócios, o foco não é necessariamente no produto, mas no valor e, consequentemente, na rentabilidade. Em outras palavras, como o seu negócio soluciona a dor do cliente de forma lucrativa.

Muitas vezes, o desafio do modelo de negócios de startups é criar algo inovador: ou adaptar um modelo de negócios para uma área onde não é comumente aplicado, ou criar um modelo totalmente novo.

Repetível e escalável

Esses dois fatores são super importantes para uma startup, uma vez que sem eles o negócio tem grandes chances de se tornar insustentável. Quem empreende com uma startup nunca sabe o dia de amanhã: afinal, a empresa terá capital para se manter? Essa é uma pergunta vital para esse negócio. Um produto repetível e escalável traz inúmeras vantagens, uma vez que ele promete atingir um grande número de clientes e gerar lucro de forma rápida!

Para um negócio ser repetível significa que ele é capaz de entregar o mesmo produto em escala potencialmente ilimitada. Dessa forma, não é viável muitas customizações ou adaptações, pois a meta é multiplicar. Já ser escalável significa crescer cada vez mais sem que isso influencie no modelo de negócios. Como resultado, um modelo de negócio repetível e escalável que tem um fit no mercado tem grandes chances de ser uma startup de sucesso.

Cenário de incertezas

Criar uma startup é fugir do tradicional. Como procura ser disruptiva, dificilmente uma startup vai ter um manual de como ser bem sucedida. Não há como afirmar se a ideia ou projeto de empresa irão realmente deslanchar. Dessa forma, o caminho a ser trilhado e os passos que o empreendedor deve tomar são minimamente incertos.

É justamente por esse ambiente, recorrente até que o modelo de negócios seja bem definido, que tanto se fala em investimento para startups. Sem capital de risco, é muito difícil persistir na busca por um modelo de negócios que comece a gerar grana e se sustente. O ideal é o negócio sobreviver até a comprovação de que o modelo existe e sua receita comece a de fato crescer. Caso contrário, provavelmente será necessário uma nova rodada de investimentos para que essa startup se torne uma empresa sustentável.

Uma forma de lidar melhor com esse cenário de incertezas é o produto mínimo viável, também conhecido como MVP. Ele tem o objetivo de validar uma solução e ajudar a entender o que o cliente realmente quer gastando o mínimo possível. Quer entender melhor? Confira nossa report agem especial Produto Mínimo Viável (MVP): O que é e como fazer?.

Qual a origem do termo startup?

A utilização do termo começou durante a crise das empresas ponto-com, entre 1996 e 2001. Na época, foi formada uma bolha especulativa caracterizada pela alta das ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação alocadas no espaço da Internet. A Bolha da Internet, como ficou comumente conhecida, adotou e começou a utilizar o termo startup, que até então apenas significava um grupo de pessoas trabalhando por uma ideia diferente e com potencial de fazer dinheiro. Além disso, startup, na etimologia da palavra, também sempre foi sinônimo de iniciar algo e colocá-lo em funcionamento.

Tipos de startups

As startups podem ser divididas de várias formas, sendo que as principais são entre tipos de negócio ou nichos onde atuam. Em relação aos tipos de negócio, destacam-se dois tipos:

B2B (Business to Business): em português, negócios para negócios, esse tipo de startup atende outras empresas ao invés do consumidor final diretamente. Um exemplo é o 99 corporativo, serviço de transporte para empresas.

B2C (Business to Consumer): em português, negócios para consumidores, essa startup fornece um serviço para o consumidor final. Um exemplo é o 99, serviço de transporte voltado para o consumidor diretamente.

B2B2C (Business to Business to Consumer): em português, negócios para empresas para consumidores, é utilizada quando uma empresa faz negócios com outra visando uma venda para o cliente final. No caso, o iFood é um ótimo caso de uma startup que faz parceria com outras empresas (restaurantes) para ajudar na venda para clientes.

Já os nichos onde atuam são de acordo com a área da empresa. Você já deve ter se deparado com termos como FinTech, HealthTech, EdTech, LawTech e por aí vai. Essas são nomenclaturas para definir startups no ramo, respectivamente, de mercado financeiro, saúde e medicina, educação, direito.

Startup e o empreendedorismo

Ter uma startup é uma aventura. Portanto, não é qualquer pessoa que está disposta a entrar nessa, é preciso ter o espírito empreendedor. Em pesquisa rápida pela internet, alguns termos insistiram em aparecer nas definições de empreendedorismo:

  • Autonomia: esse é um dos principais motivos pelos quais as pessoas abandonam seus empregos e se tornam empreendedores. Trata-se da capacidade de assumir a responsabilidade pelas suas decisões e a independência na definição de seu sucesso.
  • Dedicação: não existe empreendedorismo sem comprometimento e determinação. Sabe aquela história de apenas 10% de inspiração de 90% de transpiração?
  • Disposição para se arriscar: não existe nenhum cenário em que o empreendedor não assuma algum tipo de risco. Muitas pessoas bem-sucedidas creditam o seu aprendizado e a sua evolução à capacidade de assumir riscos, de aprender com os erros e de perseverar a cada ocasião.

A questão é: empreender, sobretudo, significa andar pelos próprios pés e rumo a um caminho desconhecido. É ser autônomo e dedicado o suficiente para assumir um risco e bancá-lo. E isso dá um medo danado, requer toda uma reestruturação de mentalidade, hábitos e costumes. Não caia na armadilha de pensar que nomes como Elon Musk ou Larry Page não sentiram isso quando se jogaram pelo mundão, porque são sensações inerentes à consciência do homem. Surge nessas horas o instinto e cabe a todos os corajosos saberem como controlar e superá-lo, em ordem de atravessar todos os seus medos e finalmente atingir o sucesso.

Por fim, um último elemento fundamental para essa definição: valor.

Note que em nenhuma parte do texto foram usadas as palavras “empresa” ou “negócios”. Isso porque não diz respeito apenas sobre os negócios. É necessário ampliar o conceito de empreendedorismo para além do negócio próprio e usá-lo como uma ferramenta que gere valor para a sociedade.

Por que startups são importantes?

Como já citado, startup é um termo cada vez mais pesquisado e que está na moda. Mas isso não é algo aleatório! Cada vez mais as inovações estão transformando a vida de milhares de pessoas para sempre. Elas vem para substituir processos engessados e revolucionar o mundo como conhecemos hoje. Essas mudanças já estão acontecendo e são parte da Nova Economia.

O que é nova economia e como ela está ligada às startups?

A nova economia é o surgimento de novos modelos de negócios disruptivos, o que faz com que empresas e profissões fiquem obsoletas muito rapidamente. Ela exige outra postura de nós, pois é preciso ser mais rápido, mais competitivo, mais conectado e atualizado. Nesse cenário de mudanças importantes é que surgiu a StartSe: nosso principal objetivo é conectar o mundo com as transformações causadas pela nova economia! Se você quiser saber mais detalhes sobre a nova economia e os impactos que ela promete trazer, baixe nosso ebook gratuito: A Nova Economia.

Mas o que isso tem a ver com startups? No caso, as startups são parte fundamental dessa nova forma de pensar e agir. Elas são negócios com o olhar no futuro, que tem como um dos principais objetivos inovar e transformar processos. Mas, além de trazerem soluções disruptivas, elas também prometem desafiar o status quo, derrubando monopólios e ameaçando corporações. Quem não se lembra de gigantes como Kodak e Blockbuster? Elas foram substituídas por negócios que começaram como startups e hoje dominam o mercado, como Instagram e Netflix.

Dessa forma, é certo dizer que a nova economia já chegou e nada mais importante do que estar por dentro desse ecossistema!

Exemplos de startups de sucesso

Algumas das maiores empresas do mundo começaram como startups, com pouquíssimo dinheiro e muito risco. Tropeçaram, erraram, adaptaram e deram a volta por cima. Hoje, algumas são consideradas os famosos unicórnios, nada mais nada menos que startups que passaram a valer US$ 1 bilhão (ou mais). Não é para todo mundo, não é mesmo? Conheça as histórias de algumas delas aqui:

Netflix

O Netflix é um exemplo de startup bem sucedida. Quando foi lançada, em 1997, era o auge das videolocadoras e a ideia de um delivery de DVD – que foi como ela começou – parecia insana. Três anos depois, seus fundadores tentaram vender a startup para a gigante Blockbuster: negado. A locadora não via o potencial do negócio e preferiu permanecer com seu modelo de negócio. Alguns anos depois isso custaria caro, mas é uma história que todo mundo já sabe.

De delivery, a Netflix abraçou as últimas tecnologias e apostou no streaming. Hoje a empresa vale bilhões, é referência no mundo inteiro e continua revolucionando o entretenimento televisivo e ameaçando indústrias centenárias.

Google

O Google também é outra gigante que começou no modelo de startup. O tamanho e onipresença do maior site da internet são tão inigualáveis que é difícil de imaginar que ele um dia pôde ser chamado assim. No entanto, no começo o Google não parecia prometer muito. Na época, buscadores maiores e mais famosos, como Altavista e Yahoo, dominavam. O jogo parecia ganho, mas a empresa não se abalou, pelo contrário: ela teve um insight que as outras duas não tiveram.

O Google não tinha uma entrega de resultados superiores à dos concorrentes, mas Larry Page, seu fundador, sabia que precisava encontrar uma forma de lucrar ou então seria um negócio insustentável. Dito e feito, anos depois o Google é uma das maiores empresas do mundo, caminhando para valer US$ 1 trilhão.

Paypal

Uma startup deve trazer um modelo de negócios dinâmico e o empreendedor deve estar sempre sujeito à adaptações. Esse é o caso da PayPal. Bem no início de sua trajetória, a empresa pretendia fornecer uma espécie de carteira digital para dispositivos portáteis. Só que os consumidores começaram a usar o serviço como forma de transferir dinheiro em negociações do eBay.

Apesar de não ser a ideia inicial do projeto, eles souberam se adaptar aos sinais da demanda. Mudaram o foco e apostaram na demanda dos usuários. O negócio deu mais do que certo e e hoje o PayPal é a maior empresa de transferência de dinheiro na internet.

Outro exemplo famoso de modelo de negócio inovador é o Uber, que descentralizou o serviço de motorista particular. A startup pôs fim à dúvida de achar um taxi (acenando na rua!) para a certeza de que em poucos minutos um carro chegará com um clique no celular. Além de solucionar essa dor, o serviço encontrou uma forma lucrativa, escalável e de baixo custo para operar. No caso, a startup alcançou sucesso mundial com uma frota de milhões de motoristas sem ter que comprar um carro sequer, só cobrando uma porcentagem sobre as viagens de motoristas comuns!

Conclusão

Então, recapitulemos: uma startup é um grupo de pessoas de perfil de empreendedor, caracterizado pela autonomia, dedicação e risco, à procura de um modelo de negócios repetível e escalável – monetização feita através de produtos em escala quase que ilimitada e de baixo custo de manutenção – normalmente apresentado em um cenário de incertezas e questões, que atraem e pedem por valor e inovação.

Agora que você entendeu o que é uma startup, que tal se aprofundar mais um pouco e descobrir como criar a sua? Pode ter certeza que não é fácil, mas muito menos impossível!

Nosso Head de Inovação e e empreendedor nato Cristiano Kruel criou o melhor curso sobre criação de Startups do Brasil: o Startup Style. O método definitivo para o empreendedorismo de alto impacto

Você vai aprender a aplicar os padrões e processos de alto crescimento utilizado pelas startups para qualquer modelo de negócio.

E vai transformar de uma vez o modelo antigo da sua empresa para criar produtos, contratar pessoas e fazer negócios.

  • O que é preciso para ser um empreendedor
  • As principais etapas para criar uma startup
  • Os fatores mais importantes para o crescimento da empresa
Os melhores corretores de opcoes binarias 2020:
  • Binomo
    Binomo

    O melhor corretor!
    Conta demo gratuita e treinamento para iniciantes!
    Inscreva-se bonus!

  • FinMax
    FinMax

    Corretor de opcoes binarias confiavel! Boa resposta!

Tudo sobre opções binárias e Forex
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: